Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate

ptenes

Opções de acessibilidade

Página inicial > Últimas Notícias > Projeto lança a primeira cartilha acessível em Libras da UFRA
Início do conteúdo da página
Ultimas Notícias

Projeto lança a primeira cartilha acessível em Libras da UFRA

  • Publicado: Segunda, 11 de Mai de 2020, 17h58
  • Última atualização em Segunda, 11 de Mai de 2020, 17h58

O autocuidado emocional é um tema que vem ganhando ainda mais relevância com as medidas de isolamento necessárias para a contenção do Covid-19. Na Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), professoras do projeto de extensão “Inclusão em Debate”, tiveram a ideia de começar a elaborar uma cartilha sobre o tema, propondo dicas, sugestões e cuidados com a saúde mental durante a pandemia.  A cartilha “Autocuidado emocional em tempos de covid-19” é a primeira cartilha acessível da UFRA e está disponível em pdf, áudio e Libras. O material segue os modelos de cartilha acessível do Ministério da Saúde.

"Nós do Projeto Inclusão em Debate acreditamos na importância de ações que auxiliam à população de forma acessível. Apesar de sabermos que nem todos podem ter acesso à internet, acreditamos no efeito multiplicador de uma pessoa que tenha acesso a informação", diz a professora Ana Paula Sardinha, coordenadora do projeto.

Nos vídeos e no arquivo em pdf é possível encontrar orientações sobre como manter uma rotina; o cuidado com o excesso de informações; a importância de manter o contato com familiares, amigos e conhecidos; respeito aos próprios limites e pensar em novos projetos de vida. Além disso, a cartilha traz orientações sobre violência contra vulneráveis, contatos importantes em casos de suspeita de COVID-19 e contatos de apoio psicológico. 

O material foi elaborado pela coordenadora, com colaboração das professoras Daniela Reis e Rafaela Aquime, o intérprete Wallace Albuquerque e a diagramação e edição da discente Jaqueline Brito, aluna do curso de Licenciatura em Computação e integrante do projeto.

“A maioria das cartilhas não é acessível. Existem surdos que oralizam muito bem, mas outros não sabem ler em português. O português é a segunda língua, eles precisam ler em Libras”, diz a coordenadora.

A equipe do projeto é formada por 15 pessoas, incluindo a vice-coordenadora, Alcione Batista, professores, técnicos e alunos dos cursos de Licenciatura em Letras-Português e Licenciatura em Computação. A proposta é fazer ainda mais cartilhas acessíveis,e já está pensando em formas didáticas de apresentar uma cartilha com orientações de prevenção destinadas à prevenção de determinados grupos de pessoas com deficiência, reunindo informações voltadas ao entendimento dos cuidadores, pais e familiares.

A cartilha completa está dividida em dois links: 

https://drive.google.com/drive/folders/1oZkpCTrISeFBoJ_5LmiY_Nz1xEf-rkh6

https://drive.google.com/drive/folders/1HBonbn1a8P_VRfiG0ypd0XYbudtD5zXq

Texto: Vanessa Monteiro, jornalista, Ascom UFRA

 

 

 

Fim do conteúdo da página

Avenida Presidente Tancredo Neves, Nº 2501 Bairro: Terra Firme  Cep: 66.077-830 Cidade: Belém-Pará-Brasil